Brasil atinge 41 GW de capacidade fotovoltaica e se consolida como líder na América Latina

Setor fotovoltaico brasileiro cresce exponencialmente, impulsionado por investimentos e políticas favoráveis.

No primeiro trimestre de 2024, o mercado fotovoltaico brasileiro adicionou mais de 4 GW de capacidade ao sistema elétrico, segundo dados divulgados pela ABSolar (Associação Brasileira de Energia Solar). Essa expansão elevou a capacidade instalada acumulada do país para impressionantes 41 GW, consolidando-o como líder na América Latina nesse setor.

O crescimento exponencial da energia solar no Brasil é notável. Em 2013, o país contava com apenas 8 MW de capacidade instalada, número que saltou para 34,9 GW no final de 2023 e ultrapassou a marca dos 40 GW no primeiro trimestre de 2024. Esse aumento representa um crescimento de mais de 4.300 vezes em uma década, posicionando o Brasil como o país com a maior capacidade instalada de geração de energia fotovoltaica na região.

Atualmente, mais de 85% da eletricidade brasileira é gerada por fontes renováveis, sendo a energia fotovoltaica a segunda maior fonte de geração, atrás apenas da hidrelétrica e superando a eólica em termos de capacidade instalada. A adoção crescente de sistemas fotovoltaicos em telhados contribui significativamente para esse cenário, com 2,3 milhões de sistemas já instalados e potencial para mais de 90 milhões.

O presidente da ABSolar, Ronaldo Koloszuk, destaca que o aumento de escala e a melhoria da eficiência tecnológica impulsionaram a energia solar como uma via crucial na transição energética do Brasil e do mundo. Além disso, políticas governamentais favoráveis, como a medição líquida, têm incentivado ainda mais o desenvolvimento do setor.

No entanto, o Brasil também está investindo em sua própria indústria de produção fotovoltaica, buscando reduzir a dependência de importações. Apesar dos avanços, a capacidade de produção local ainda é limitada, com menos de 5 GW, o que ressalta a importância das importações para atender à demanda do mercado.

Com planos ambiciosos de expansão energética para os próximos anos, o Brasil projeta alcançar uma capacidade instalada de aproximadamente 224,3 GW até 2030, com mais da metade proveniente de novas fontes de geração de energia, sendo a solar a principal delas. Projetos de grande escala e energia solar distribuída estão entre as principais iniciativas para impulsionar esse crescimento.

Diante desse panorama, o Brasil se firma como um ponto brilhante na América do Sul em termos de desenvolvimento fotovoltaico, projetando-se como um dos líderes mundiais na transição para uma matriz energética mais limpa e sustentável.


André Carvalho

André Carvalho é um economista e professor que se especializa em economia do trabalho e benefícios sociais. Sua pesquisa e ensino enfocam como as políticas econômicas podem ser estruturadas para melhorar a vida dos trabalhadores e reduzir a desigualdade social, contribuindo significativamente para debates políticos e acadêmicos nesse campo.

google newa

+

Relacionadas