Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on google
Google+

A balança comercial do Brasil registrou superávit de 6,061 bilhões de dólares em abril, o segundo melhor resultado da série histórica do mês, informou o Ministério da Economia nesta quinta-feira.

Este foi o segundo melhor resultado da série histórica do mês, perdendo apenas para abril de 2017 (US $ 6,963 bilhões). Com o resultado de abril, a balança comercial – diferença entre exportações e importações – acumula superávit de US $ 16,576 bilhões nos primeiros quatro meses de 2019, 8,7% menor que o mesmo período do ano passado.

No mês passado, as exportações totalizaram US $ 19,689 bilhões, ligeiramente abaixo de 0,1% em relação a abril de 2018 pelo critério da média diária. As vendas de produtos manufaturados aumentaram apenas 0,8% na mesma comparação, especialmente tubos flexíveis de ferro ou aço (R $ 0 a R $ 148 milhões), máquinas e equipamentos agrícolas (208,3%), peças de motores e turbinas para aviação (116,9%) e torneiras , válvulas e peças (99,7%).

As exportações de produtos básicos cresceram 2,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, com destaque para o algodão em bruto (145,2%), carne suína (51,4%) e carne bovina (48,1%). As vendas de semimanufaturados aumentaram 7,1%, impulsionadas pelo aumento nas exportações de açúcar bruto (25,8%), celulose (25,2%) e ferro-ligas (23,7%). Apenas as operações especiais, como o consumo dentro dos portos, registraram queda, reduzindo o desempenho das exportações.

O principal fator responsável pela queda na balança comercial, no entanto, foram as importações, que somaram US $ 13,628 bilhões, com queda de 1,2% em relação a abril do ano passado pelo critério da média diária. As compras de bens de capital (máquinas e equipamentos usados ​​na produção) caíram 10%.

As importações de bens de consumo caíram 6,6%. As compras de bens intermediários caíram 0,2%. Apenas as importações de combustíveis e lubrificantes aumentaram 10,4% na mesma comparação, principalmente em função da valorização do petróleo no mercado internacional.

Depois que a balança comercial fechou 2018 em US $ 58,959 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2019 devido principalmente à recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações.

Segundo o boletim Focus, levantamento semanal de instituições financeiras divulgado pelo Banco Central, analistas de mercado prevêem um superávit de US $ 50 bilhões para este ano. O Ministério da Economia projeta um superávit de US $ 50,1 bilhões para a balança comercial em 2019.