Chevron registra lucro recorde com preços em alta

 A Chevron Corp divulgou nesta sexta-feira seu maior lucro trimestral de todos os tempos, baseado em fortes margens de combustível e altos preços de gás natural e petróleo, e aumentou sua meta de recompra de ações.

A petroleira registrou lucro líquido de US$ 11,6 bilhões no segundo trimestre, ou US$ 5,95 por ação diluída, mais que o triplo dos US$ 3,1 bilhões, ou US$ 1,60 por ação, no mesmo período do ano passado.

O plano de recompra de ações da Chevron segue o de outras grandes petrolíferas, incluindo as gigantes europeias TotalEnergies e Shell, que nesta semana aumentaram as recompras para satisfazer os investidores que buscam retornos maiores.

“Achamos que podemos fazer tudo”, disse o diretor financeiro da Chevron, Pierre Breber, à Reuters. “Aumente o dividendo para os investidores, cultive a energia tradicional e nova, pague dívidas e recompra ações.”

A demanda de energia se recuperou acentuadamente nos últimos 12 meses, mas os altos preços do combustível e do gás natural estão atingindo os consumidores em todo o mundo. Os números econômicos globais mostram que várias economias estão começando a desacelerar, com potencial de destruição da demanda.

O preço médio de venda da Chevron nos EUA para um barril de petróleo bruto e líquidos de gás natural foi de US$ 89 no trimestre, acima dos US$ 54 do ano anterior.

O preço de venda internacional do petróleo bruto foi de US$ 102 por barril, acima dos US$ 62 do ano anterior.

Os resultados da Chevron e dos rivais dos EUA provavelmente atrairão a atenção da Casa Branca e de outros políticos que dizem que as companhias de petróleo estão roubando os consumidores com os altos preços dos combustíveis, à medida que obtêm lucros recordes.

Os preços dos combustíveis aumentaram acentuadamente devido a uma combinação de fechamentos pandêmicos, sanções à Rússia e cotas de exportação na China que reduziram a capacidade de refino. 

A Chevron aumentou o limite superior de sua faixa anual de orientação de recompra de ações para US$ 15 bilhões, de US$ 10 bilhões. Analistas de grandes empresas financeiras não esperavam uma expansão do programa de recompra tão logo ele elevou sua orientação em maio para o topo de sua faixa de US$ 5 bilhões a US$ 10 bilhões.

“O aumento do ritmo de recompra de US$ 10 bilhões para US$ 15 bilhões é uma surpresa positiva, enquanto o balanço patrimonial continua a se fortalecer”, disse Phillip Jungwirth, analista da BMO Capital Markets.

A empresa também vem usando seus ganhos para reduzir seu índice de endividamento, que atualmente está abaixo de 15%, abaixo da orientação da empresa. A empresa não terminou a desalavancagem, no entanto. “Com o tempo, se chegarmos a zero de dívida líquida, por exemplo, tudo bem. Porque com o tempo isso vai se reequilibrar”, disse Breber.

As ações subiram 3,7% nas negociações de pré-mercado, para US$ 155,90.

A Chevron vem aumentando os investimentos e expandindo a produção nos Estados Unidos, enquanto sua produção global cai após o vencimento das concessões na Tailândia e na Indonésia.

“Nós mais que dobramos o investimento em relação ao ano passado para aumentar as linhas de negócios de energia tradicional e nova”, disse o presidente-executivo Michael Wirth em comunicado.


COMPARTILHAR