Dólar cai ante real de olho em tramitação de pautas econômicas no Congresso

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on google
Google+

O dólar caía ante o real nesta terça-feira, com atenções voltadas para a tramitação no Congresso de pautas econômicas, como o projeto de crédito suplementar que autoriza o governo a descumprir a “regra de ouro”, e ainda com tensões políticas no radar.

Notas de real e dólar em casa de câmbio no Rio de Janeiro
10/09/2015
REUTERS/Ricardo Moraes
Notas de real e dólar em casa de câmbio no Rio de Janeiro 10/09/2015 REUTERS/Ricardo Moraes

Foto: Reuters

Às 10:14, o dólar recuava 0,35%, a 3,8710 reais na venda

Na véspera, o dólar encerrou com ligeira alta de 0,18%, a 3,8846 reais na venda.

O dólar futuro perdia cerca de 0,4% neste pregão.

A Comissão Mista do Orçamento (CMO) se reúne às 11h para votar o texto do crédito suplementar, enquanto o Congresso tem sessão conjunta marcada para as 14h para apreciar vetos presidenciais pendentes e, com isso, poder votar o projeto de crédito suplementar caso tenha sido aprovado pela comissão.

Ainda nesta terça-feira, ocorre em Brasília o fórum dos governadores, “onde o foco será a busca pelo maior apoio possível dos Estados e municípios na PEC da nova Previdência”, como pontuou a corretora H.Commcor em nota.

Investidores seguem monitorando a tensão política em razão do vazamento de supostas conversas do ministro da Justiça, Sergio Moro, monitorando especialmente o impacto que isso pode ter sobre a tramitação da Previdência.

Segundo agentes financeiros, os desdobramentos do fato podem trazer volatilidade ao câmbio nesta terça-feira.

Na véspera, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o vazamento das conversas visa justamente atrapalhar a reforma. Jair Bolsonaro, que não se pronunciou sobre o assunto na segunda-feira, deve se reunir com Moro nesta terça-feira.

Bolsonaro cumpre agenda em São Paulo nesta terça-feira e será acompanhado por Guedes.

“A coisa está muito mais acelerada do que deveria estar. De um lado uma turma fazendo pressão para que seja aprovada logo, e do outro alguém afirmando que não tem votos suficientes”, afirmou um operador de um banco nacional, com relação à tramitação da reforma da Previdência.

Ele avalia que há excesso de otimismo no mercado no que diz respeito à Previdência e também a um eventual corte de juros, tanto no Brasil quanto nos EUA.

O dólar operando em queda neste pregão reflete tal otimismo, uma vez que faltam fatos e argumentos que justifiquem tal movimento, explicou.

Do panorama externo, a definição de um acordo entre Estados Unidos e México, evitando assim a aplicação de tarifas sobre produtos mexicanos, segue encorajando apetite por risco neste pregão.

Contribui para o otimismo no exterior a decisão de Pequim de aliviar regras financeiras para impulsionar os gastos do governo sobre obras públicas, novas medidas de estímulo para sustentar a economia chinesa.

No entanto, há razoável cautela no ar com relação à disputa entre EUA e China, depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou na véspera que o não comparecimento do líder chinês, Xi Jinping, ao G20 implicaria em um novo aumento tarifário.

O BC realiza nesta sessão leilão de até 5,05 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de julho, no total de 10,089 bilhões de dólares.

Veja Também

Rolar para cima