Enel Redireciona Foco para Redes Elétricas e Adota Estratégia Seletiva em Energias Renováveis

A gigante italiana Enel muda sua direção estratégica, priorizando investimentos em redes elétricas e adotando uma postura mais seletiva em projetos de energia renovável.

A Enel, conhecida como uma das maiores promotoras de energias renováveis do mundo, anunciou uma reorientação estratégica em seus investimentos para os próximos três anos. Sob a liderança do novo presidente-executivo, a empresa italiana enfatizará o aprimoramento de suas redes elétricas, destinando cerca de 19 bilhões de euros para melhorar a resiliência e modernização da infraestrutura existente. Este anúncio foi feito por Flavio Cattaneo nesta quarta-feira, sinalizando uma mudança significativa na alocação de recursos da empresa.

Enel Redireciona Foco para Redes Elétricas e Adota Estratégia Seletiva em Energias Renováveis
Foto- Freepik

No seu plano até 2026, a Enel programou um orçamento de 35,8 bilhões de euros em despesas de capital, com uma parcela substancial destinada às redes. Paralelamente, a companhia adotará uma abordagem mais criteriosa em relação aos seus investimentos em energias renováveis. Este reposicionamento vem em resposta ao aumento das taxas de juros e dos custos dos insumos, levando a Enel a concentrar 12,1 bilhões de euros em projetos específicos de energia eólica terrestre, energia solar e armazenamento de baterias.

Apesar desta mudança, a Enel não abandona suas ambições em energias renováveis, planejando adicionar aproximadamente 13 gigawatts de nova capacidade de energia verde globalmente. Esta expansão incluirá a formação de parcerias estratégicas com outros grupos.

As ações da Enel, que é controlada pelo Estado, testemunharam uma leve alta de 0,3% às 11h40 GMT, após uma queda inicial de 1% na bolsa de Milão. Esta variação reflete a reação cautelosa do mercado à nova estratégia da empresa.

Flavio Cattaneo, em uma teleconferência com analistas, destacou a importância de uma abordagem prudente nos investimentos. Ele, juntamente com o novo diretor financeiro Stefano De Angelis, enfatizou que a concentração em redes é estratégica, visto que este segmento oferece retornos mais previsíveis definidos por reguladores.

Além disso, a Enel confirmou seu compromisso com os acionistas, mantendo um dividendo mínimo de 0,43 euros por ação para os próximos três anos. Cattaneo expressou confiança no potencial de aumento dos dividendos e anunciou planos pessoais de adquirir mais ações da empresa, reafirmando sua fé no crescimento futuro da Enel.

A empresa também pretende investir cerca de 3 bilhões de euros em gestão ativa de sua carteira de clientes, oferecendo um mix diversificado de mercadorias e serviços. Essa estratégia visa recuperar a participação de mercado, após um aumento significativo na taxa de rotatividade de clientes.

A Enel projeta uma redução na sua dívida financeira líquida para cerca de 2,3 vezes o EBITDA até 2026. Atualmente, a dívida líquida varia entre 60 e 61 bilhões de euros, um pouco acima do projetado no plano de negócios anterior.


André Mello

André Melo é jornalista de assuntos sobre inovações e tendência, com publicação de conteúdos sobre tecnologia. Antes de ingressar no Click Petróleo, André trabalhou como redator de marcas no setor de automação e afins. Contato: [email protected]

google newa

+

Relacionadas