Enel vira sod em gigante brasileira de 716MW

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on google
Google+

A Enel, desenvolvedora de energias renováveis, iniciou a construção de um parque eólico de 716 MW no Brasil, o maior projeto do gênero na América do Sul.

A Enel investirá mais de € 700 milhões no projeto Lagoa dos Ventos, no estado do Piauí, no nordeste do país, que deve entrar em operação em 2021.

A Lagoa dos Ventos, composta por 230 turbinas, está situada nos municípios da Lagoa do Barro do Piauí, Queimada Nova e Dom Inocêncio.

Além de ser o maior projeto eólico em construção na América do Sul, a Lagoa dos Ventos é também o maior parque eólico da Enel em todo o mundo.

O chefe da Enel Green Power, Antonio Cammisecra, disse: “O início da construção deste projeto eólico recorde no Brasil é um marco importante para a nossa presença no país, que continua a ser um dos mercados mais proeminentes da Enel Green Power.”

Do total de capacidade instalada do parque eólico, 510MW foram concedidos à Enel no concurso público A-6 do Brasil em dezembro de 2017 e são suportados por contratos de fornecimento de energia de 20 anos com um grupo de empresas de distribuição que operam no mercado regulado do país.

A produção dos 206MW restantes será vendida a clientes de varejo no mercado livre.

Enquanto isso, em seus resultados financeiros consolidados preliminares, a Enel fechou 2018 com receita de € 75,6 bilhões, um aumento de 1,3% em relação a 2017.

O desenvolvedor atingiu seu lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) para 2018, registrando € 16,3 bilhões, um aumento de 3,8% em relação a 2017.

De acordo com a empresa, o desempenho positivo deve-se principalmente a mudanças no escopo de consolidação, após as aquisições da Enel Distribuição no Brasil em 2018 e da Enel X América do Norte em 2017, bem como no aumento das vendas de produtos renováveis. na Itália, Espanha e América do Sul, além do crescimento das vendas no mercado livre na Itália.

Veja Também

Rolar para cima