Óleo e Gás

Galp emparelha metas de produção em suas duas unidades no Brasil

COMPARTILHE

Galp, a maior companhia de óleo e gás de Portugal , reduziu sua projeção para o volume de upstream nos próximos dois anos em novas unidades em suas duas unidades offshore no Brasil, informou a companhia nesta segunda-feira.

Não registrado?

Receba diariamente alertas por e-mail, notas de assinante e personalize sua experiência.

A empresa vê a produção total de interesse a montante da carteira existente a crescer 8% -12% em 2019, de 107.000 b / d de equivalente de petróleo em 2018. Esta situação perde o total no plano anterior da Galp, uma vez que teve de ajustar a produção a partir do ano anterior. Campos de Lula e Iara devido à posterior inicialização das unidades P67 e P68.

Para 2020, a empresa estima que a produção upstream cresça a uma taxa de crescimento média composta de 12% -16% em relação a 2018, novamente aquém de sua meta anterior de cerca de 17%, que levaria a produção para 150.000 boe / d até 2020.

O crescimento da produção anual de 2018 da companhia de 15% já estava no limite inferior de sua previsão.

No entanto, além de 2020, o aumento da produção no Brasil e a nova produção em Moçambique devem começar a causar um impacto maior. A empresa espera superar as metas de seu plano anterior até 2025 e apresentar uma taxa de crescimento anual composta de mais de 10% até 2030, usando uma referência de US $ 25 / b do valor presente de equilíbrio líquido.

A companhia disse que aumentou as reservas provadas e prováveis, incluindo a melhor estimativa de recursos contingentes, para 2,4 bilhões de boe em 2018, um aumento de 15%. Isso foi auxiliado por revisões ascendentes no Brasil e em Moçambique, a garantia de uma participação de 20% em Carcara, Brasil, e o acesso a novos blocos prospectivos de alto potencial do pré-sal em Uirapuru e CM 791.

A empresa vê sua margem de refino subir para US $ 5-6 / b em 2019 e para US $ 6-7 / b em 2020, de US $ 5 / b em 2018.

Escreva um comentário

dezoito + dezessete =