Indústria

“Mercado forte” para as montadoras brasileiras, mas muito dependerá da Argentina

Fabricantes de automóveis no Brasil no mês passado registraram suas vendas mais fortes em quase quatro anos, aumentando o otimismo quando a indústria automobilística deu início ao Salão Internacional do Automóvel de São Paulo.

As vendas de novos carros, caminhões e ônibus subiram 25,6% em outubro ante um ano antes, para quase 255 mil veículos, de acordo com a associação de montadoras Anfavea. Isso foi o maior desde dezembro de 2014.

“Isso significa que estamos voltando aos anos em que tivemos um mercado muito forte”, disse o presidente da Anfavea, Antonio Megale, a jornalistas no salão do automóvel.

O Brasil foi um dos cinco maiores mercados de automóveis do mundo até uma desaceleração nesta década. Continua a ser uma base importante de operações para a Fiat Chrysler Automobiles NV, a Volkswagen AG, a General Motors Co e a Ford Motor Co.

A Anfavea prevê uma recuperação sólida para continuar com o crescimento de dois dígitos nas vendas no próximo ano, quando o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, prometeu reformas econômicas para reduzir o déficit fiscal do governo e reforçar o emprego.

As exportações brasileiras de automóveis, no entanto, devem cair este ano mais do que o inicialmente previsto, segundo a Anfavea, devido à dificuldade econômica na vizinha Argentina.

O grupo reduziu sua previsão de uma perspectiva estável para uma queda de 8,6% no início deste mês, e Megale disse que uma situação declinante na Argentina significa que o resultado final provavelmente será pior.

As exportações para a Argentina, o maior comprador de carros brasileiros, caíram quase 2% em outubro em relação a setembro. Ano após ano, as exportações para a Argentina caíram 37,3%.

O emprego na indústria automobilística também caiu quase 1% em outubro, apesar do forte crescimento da produção e das vendas.

“Isso foi uma surpresa para mim”, disse Megale. “A tendência é contratar. Isso pode ter sido devido a um pequeno ajuste por causa das exportações (mais baixas) ”.

A indústria automobilística também espera há muito tempo a aprovação de um novo pacote de incentivo para a indústria, conhecido como Rota 2030, mas está parado no Congresso há meses.

“Temos esperança, e nossa idéia para o Salão do Automóvel era que teríamos a Rota 2030 no lugar”, disse Megale. “Eu sou um cara otimista que vamos chegar lá.”

COMPARTILHE

Escreva um comentário

um × dois =