Opep+ aumenta produção de petróleo em ritmo mais lento

O cartel de petróleo da Opep e seus aliados decidiram na quarta-feira aumentar a produção em setembro em um ritmo muito mais lento do que nos meses anteriores, em um momento de altos preços da gasolina e fornecimento instável de energia exacerbado pela guerra que a Rússia travou na Ucrânia.

A Opep, liderada pela Arábia Saudita, e seus aliados, liderados pela Rússia, disseram que aumentarão a produção para 100.000 barris por dia no próximo mês, depois de aumentá-la em 648.000 barris por dia em julho e agosto. O grupo considerou quais efeitos a inflação impressionante e o aumento das taxas de COVID-19 podem ter na demanda global por combustível no outono.

Isso ocorre depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, visitou a Arábia Saudita no mês passado, com o objetivo de melhorar as relações e incentivar mais produção de petróleo do cartel para reduzir os altos preços na bomba. Embora os preços da gasolina tenham caído, eles ainda estão altos e representam um problema político para ele à medida que a inflação aumenta.

Não houve acordo de produção de petróleo anunciado após a reunião, mas Biden disse esperar que a Opep tome medidas para aumentar a produção nas próximas semanas. Essas esperanças não se concretizaram.

Como resultado, “os EUA podem procurar outras fontes de petróleo, seja a Venezuela ou o Irã”, disse Jacques Rousseau, diretor administrativo da Clearview Energy Partners.

O governo de Biden também está incentivando a indústria de petróleo e gás dos EUA a aumentar a produção.

“Você acabou de ver os resultados do segundo trimestre de algumas dessas empresas. São lucros recordes”, disse Amos Hochstein, consultor sênior de segurança energética do Departamento de Estado, na quarta-feira à CNBC. “Eles deveriam investir esses dólares de volta em aumentos de produção.”

A coalizão OPEP + reduziu a produção durante a pandemia, pois os preços e a demanda do petróleo despencaram, e esses cortes devem expirar em setembro. O grupo vem adicionando gradualmente mais petróleo e gás ao mercado à medida que as economias se recuperam.

Algumas nações da OPEP, como Angola e Nigéria, têm produzido menos do que a quantidade acordada. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, por outro lado, têm capacidade para aumentar a produção.

A decisão da Opep parece ser uma tentativa de apaziguar os países que não podem produzir mais, disse Rousseau.

“Sempre que você aumenta a meta, há países que não podem participar”, acrescentou. “Se você aumentar a produção em apenas 100.000 barris por dia, isso é apenas uma pequena parte para todos.”

Como resultado, a quantidade de petróleo no mercado pode não acompanhar a demanda, de modo que os altos preços do petróleo podem persistir por algum tempo.

O preço do petróleo subiu acentuadamente depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro. Ele caiu um pouco desde a última reunião da Opep, mas subiu modestamente na quarta-feira. Um barril de petróleo de referência dos EUA estava sendo vendido por pouco mais de US$ 94 na quarta-feira, em comparação com mais de US$ 105 por barril há um mês. O petróleo Brent, padrão internacional, estava sendo vendido por pouco mais de US$ 100 o barril na quarta-feira, também uma queda de cerca de US$ 110 em relação ao mês anterior.

As exportações de petróleo e gás natural da Rússia para o mundo diminuíram à medida que muitas nações impuseram sanções ou reduziram as compras do principal fornecedor devido à invasão da Ucrânia. A Rússia também reduziu ou cortou o gás natural para uma dúzia de países europeus, elevando ainda mais os preços da energia, espremendo o poder de compra das pessoas e ameaçando causar uma recessão se os países não conseguirem estocar gás suficiente para passar o inverno.

Foi a primeira reunião mensal oficial do grupo Opep+ desde que seu líder, Mohammad Sanusi Barkindo, morreu aos 63 anos em seu país natal, a Nigéria, no mês passado. Haitham al-Ghais, um veterano da Kuwait Petroleum Corporation, assumiu o cargo de secretário-geral da Opep nesta semana.

Nos EUA, um galão de gasolina comum estava sendo vendido por US$ 4,16 em média na quarta-feira. Isso é substancialmente menor do que em junho, quando a média nacional ultrapassou US $ 5 o galão, mas ainda é dolorosamente alto para muitos trabalhadores e famílias da linha de frente e cerca de 31% mais alto do que os motoristas estavam pagando um ano atrás.


COMPARTILHAR