Petrobras enfrenta novos apelos para reduzir preços de combustível de aviação

Ministros Exigem Ação Contra Altos Custos de Querosene de Aviação, Impactando Tarifas de Voo.

Petrobras Confrontada com Demandas Urgentes para Baixar Preços de Querosene Aéreo

A gigante petrolífera brasileira Petrobrás SA, está enfrentando pressões crescentes para ajustar sua política de preços, especialmente no que diz respeito ao combustível de aviação. Esta demanda vem em um momento onde o aumento dos preços do querosene tem causado um impacto significativo nas tarifas aéreas.

Petrobras enfrenta novos apelos para reduzir preços de combustível de aviação
Foto- Freepik

Os ministros Silvio Costa Filho, da pasta dos Portos e Aeroportos, e Celso Sabino, do Turismo, estão expressando preocupações acentuadas com os custos elevados do combustível de aviação. Eles argumentam que esses custos são um dos principais fatores por trás do aumento das tarifas aéreas, colocando as companhias aéreas sob o escrutínio do governo. Estas, por sua vez, apontam que suas despesas estão intrinsecamente ligadas aos preços do combustível, controlados pela Petrobras.

Em uma entrevista recente, Costa Filho enfatizou: “Nossa luta é contra os preços exorbitantes das passagens aéreas. Atualmente, o custo do querosene de aviação representa aproximadamente 40% do valor total dos voos no Brasil, um percentual significativamente maior do que a média global de 20%.”

A preocupação com a política de preços da Petrobras está se intensificando dentro do governo. Há um clamor crescente para que a empresa alinhe suas estratégias com as iniciativas governamentais destinadas a controlar a inflação e revitalizar a economia brasileira – pilares fundamentais do mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O desconforto com a liderança de Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, está aumentando nas esferas governamentais.

Uma reunião crucial ocorreu na segunda-feira entre Costa Filho, Sabino e Alexandre Silveira, ministro de Minas e Energia, focada nos preços do combustível de aviação. A discussão surgiu após a Petrobras não responder às preocupações manifestadas pelos ministros, segundo Costa Filho.

Outubro testemunhou um aumento quase de 24% nas tarifas aéreas em comparação ao mês anterior, impulsionado pelos crescentes custos de combustíveis e pela demanda elevada durante as férias de Natal. Essa elevação nos preços do transporte aéreo foi um dos principais fatores para o aumento da inflação mensal, conforme indicado pela agência de estatísticas do Brasil.

Silveira tem sido um defensor ferrenho da necessidade de a Petrobras reduzir os preços do diesel e da gasolina. Recentemente, o presidente da Petrobras rejeitou esses apelos, afirmando que a companhia manterá sua política de preços atual, baseada em critérios técnicos estritos.

Uma reunião de alto nível foi agendada para terça-feira à tarde pelo presidente Lula, incluindo Prates e diversos membros do governo, para debater as políticas de preços e investimentos da Petrobras.

Atualmente, a substituição de Prates não está sendo considerada, conforme fontes internas que preferiram permanecer anônimas. Até o momento, a Petrobras não emitiu uma resposta oficial sobre essas questões.


Suzana Melo

Graduada em Jornalismo pela Faculdade do Rio de Janeiro, Suzana Melo é uma voz respeitada no universo do petróleo, energia e temas correlatos. Com uma abordagem perspicaz e informada, Suzana tem contribuído significativamente para o entendimento desses setores no Click Petróleo, trazendo análises aprofundadas e notícias atualizadas. Seu compromisso com a veracidade e clareza a estabeleceu como uma referência no jornalismo energético. Contato: [email protected].

google newa

+

Relacionadas