Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on google
Google+

Os preços do petróleo caíram novamente devido a preocupações crescentes de que as constantes trocas comerciais entre EUA e China afetarão a demanda.

Os futuros do petróleo Brent de referência internacional caíram 18 centavos, para US $ 57,20 por barril, enquanto os futuros do West Texas Intermediate (WTI) dos EUA reduziram em nove centavos, para US $ 52,45 o barril, informou a Reuters.

Ambos os benchmarks recuperaram algumas das suas perdas em sessões anteriores, devido a relatos de que a Arábia Saudita havia procurado outros produtores de petróleo para discutir formas de estabilizar os preços do petróleo.

Os benchmarks perderam quase 20% de seus preços em comparação aos níveis de abril.

O mercado de petróleo bruto é atualmente afetado pelas tensões comerciais depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou tarifas de 10% sobre produtos chineses adicionais, em vigor a partir de 1º de setembro. A diminuição subsequente da moeda chinesa desencadeou novos receios.

O analista de mercado sênior da Oanda, Edward Moya, foi citado pela Reuters como tendo dito: “A tentativa de recuperação do petróleo pode durar pouco, já que a disputa comercial EUA-China não está fornecendo razões reais para ser otimista”.

Enquanto isso, um funcionário da Arábia Saudita disse à agência de notícias que o reino planeja manter suas exportações de petróleo abaixo de sete milhões de barris por dia neste mês e reduzir os estoques globais de petróleo e estabilizar o mercado em setembro.

O ANZ Bank também disse que os atuais níveis de produção da Arábia Saudita serão reduzidos em setembro.

O ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail al-Mazrouei, disse que o comitê de monitoramento ministerial da Opep e da OPEP se reunirá no próximo mês para analisar o mercado de petróleo.

No mês passado, a OPEP e outras nações aliadas concordaram em estender os cortes contínuos de oferta de petróleo para março de 2020.