Preços do petróleo sobem à medida que a oferta da OPEP+ diminui

Os preços do petróleo subiram nas negociações europeias nesta sexta-feira, com a atenção voltada para a reunião da Opep+ da próxima semana e as expectativas de que isso acabará com as esperanças dos Estados Unidos de um aumento na oferta.

Os contratos futuros de petróleo Brent para liquidação em setembro, que expiram na sexta-feira, ganharam US$ 3,06, sendo negociados a US$ 110,20 o barril às 1325 GMT, após atingirem seu maior nível desde 5 de julho. O contrato mais ativo de outubro subiu US$ 3,44, a US$ 105,27.

Os contratos futuros de petróleo bruto do West Texas Intermediate (WTI) subiram US$ 3,54 para US$ 99,96 por barril.

Ambos os contratos estão definidos para uma segunda perda mensal, no entanto, com queda de 4,1% e 5,7%, respectivamente.

Um dólar mais fraco e ações mais fortes também deram suporte na sexta-feira. Uma queda do dólar torna o petróleo mais barato para compradores com outras moedas.

As ações globais, que muitas vezes se movem em conjunto com os preços do petróleo, estavam em alta na esperança de que o aperto monetário dos EUA não fosse tão hawkish como inicialmente esperado após números de crescimento decepcionantes.

Uma pesquisa da Reuters previu que o Brent e o petróleo dos EUA teriam uma média de US$ 105,75 e US$ 101,28 por barril, respectivamente, este ano. 

Os futuros do Brent de primeiro mês estão sendo vendidos com um prêmio crescente em relação aos meses de carregamento posterior em uma estrutura de mercado conhecida como backwardation, indicando oferta atual apertada.

“O mercado de petróleo na Europa está consideravelmente mais apertado do que nos EUA, o que também se reflete na forte queda da curva futura do Brent”, disse Carsten Fritsch, analista do Commerzbank.

Um dos principais impulsionadores será a próxima reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados liderados pela Rússia, conhecidos como OPEP +, em 3 de agosto.

Fontes da Opep+ disseram que o grupo considerará manter a produção de petróleo inalterada para setembro, com duas fontes da Opep+ dizendo que um aumento modesto seria discutido.  

A decisão de não aumentar a produção decepcionaria os Estados Unidos depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, visitou a Arábia Saudita este mês na esperança de fechar um acordo para abrir as torneiras.  ]

Analistas, no entanto, disseram que seria difícil para a Opep+ aumentar a oferta, já que muitos produtores já estão lutando para cumprir as cotas de produção.


COMPARTILHAR