Shell Investe milhões em hidrogênio para reduzir emissões de navios offshore

Projeto pioneiro visa utilizar hidrogênio para diminuir impacto ambiental de operações marítimas, em colaboração com Ocyan e LZ Energia.

Em uma jogada audaciosa, a Shell Brasil, subsidiária da multinacional britânica Shell, anunciou um investimento multimilionário em um projeto inovador que testa o uso de hidrogênio como aditivo em motores diesel de embarcações offshore, como plataformas de perfuração e navios-tanque. Esta iniciativa, em parceria com a Ocyan e a LZ Energia, parte da Protium Dynamics, busca um grande avanço na redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) nas operações marítimas.

O projeto, intitulado H2R (hidrogênio para redução de emissões e consumo), explora a viabilidade de integrar hidrogênio aos motores diesel existentes, uma estratégia que poderia significar um menor consumo de combustível e, consequentemente, menos emissões de GEE. A ideia é que o hidrogênio atue como um catalisador que aumenta a eficiência da combustão, aproveitando melhor o combustível e minimizando as emissões.

Segundo Eli Gomes, Gerente de Projetos de Tecnologia da Shell, “estamos otimistas com os resultados do projeto H2R. A tecnologia que estamos desenvolvendo não só reduz o consumo de combustíveis e as emissões de gases de efeito estufa, mas também contribui significativamente para a descarbonização da indústria offshore de petróleo e gás.”

Shell Investe milhões em hidrogênio para reduzir emissões de navios offshore
Shell Investe milhões em hidrogênio para reduzir emissões de navios offshore

A Shell Brasil investe aproximadamente R$ 500 milhões (cerca de US$ 97,04 milhões) por ano em pesquisa e inovação em novas tecnologias, com um foco crescente na descarbonização de suas operações. Para este projeto específico, a companhia disponibilizou R$ 17,7 milhões (quase US$ 3,46 milhões), através da cláusula de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O potencial impacto ambiental do projeto é significativo. Estima-se que as emissões possam diminuir em 4,5 toneladas de dióxido de carbono por ano se a tecnologia for expandida para incluir motores de perfuração e navios-tanque. Além disso, o sistema de produção de hidrogênio sob demanda proposto visa enfrentar os desafios de armazenamento e transporte de hidrogênio em operações offshore, garantindo a segurança e eficiência na injeção do gás.

A LZ Energia tem conduzido estudos sobre esta tecnologia aplicada a motores de caminhões desde 2015 e, após testes bem-sucedidos em campo e em laboratórios, confirmou a redução de até 10% no consumo de diesel e nas emissões. Com a recente qualificação internacional da DNV, certificadora independente de gestão de riscos, a tecnologia ganhou ainda mais credibilidade.

Rodrigo Chamusca, Gerente Executivo de Negócios e Tecnologia Digitais, destacou: “Conseguimos demonstrar a eficácia e confiabilidade do sistema, inclusive do ponto de vista de riscos operacionais com foco em segurança. Esse é um passo importante para o desenvolvimento do projeto, alinhado ao compromisso da Ocyan de neutralizar sua pegada de carbono até 2035.”

Este avanço reflete o empenho da Shell em liderar a transição para uma energia mais limpa e sustentável nas águas brasileiras, destacando o compromisso contínuo da empresa com a inovação e a sustentabilidade ambiental.


André Carvalho

André Carvalho é um economista e professor que se especializa em economia do trabalho e benefícios sociais. Sua pesquisa e ensino enfocam como as políticas econômicas podem ser estruturadas para melhorar a vida dos trabalhadores e reduzir a desigualdade social, contribuindo significativamente para debates políticos e acadêmicos nesse campo.

google newa

+

Relacionadas