Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on google
Google+

A Shell pretende se tornar a maior empresa de eletricidade do mundo sem necessariamente gerar muito poder…

A empresa anglo-holandesa detalhou no mês passado seus planos de se transformar em um negócio mais limpo, centrado na venda de eletricidade . Na esperança de capturar a parte mais lucrativa do negócio, a estratégia de energia da Shell será leve em ativos e se concentrará em negociar eletricidade gerada por terceiros .

“A negociação vai ficar no centro da abordagem integrada como uma fonte muito importante de valor”, disse o presidente-executivo da Shell, Ben van Beurden, no dia da administração da empresa no mês passado. “É claro que estaremos envolvidos na geração de eletricidade […], mas temos uma preferência por ser leve em ativos e equilibrar nossa oferta fornecendo eletricidade de outros produtores.”

Petróleo e gás continuarão sendo o principal negócio da Shell , diz a empresa, mas pretende ser a maior empresa de energia elétrica do mundo até o início da década de 2030.

A mudança apresenta desafios. Consideráveis empresas já existem na indústria de poder, e poder gerar produziu historicamente lucros menores do que a produção de petróleo e gás , porque utilitários muitas vezes carregam mais dívida e são fortemente regulamentados.

“As companhias de petróleo sempre foram acostumadas a altas taxas de retorno com a produção de petróleo bruto”, disse Paul Stevens, pesquisador sênior da Chatham House, um think tank londrino. “Essas taxas simplesmente não estão disponíveis na geração de energia.”