Transportadoras de gás do Brasil projetam investimentos de US$ 5,8 bilhões

Empresas de Transporte de Gás Natural Planejam Expansão e Novos Projetos até 2033.

Empresas de transporte de gás canalizado do Brasil estão traçando planos ambiciosos de investimento, projetando aportes significativos para os próximos anos. Segundo Rogério Manso, CEO da associação industrial ATGás, essas empresas têm a intenção de investir 30 bilhões de reais (equivalente a US$ 5,8 bilhões) até o ano de 2033.

Esse montante inclui os R$ 18 bilhões reportados anteriormente, direcionados principalmente para projetos de expansão até 2030. Além disso, contempla empreendimentos planejados visando alcançar novos mercados e projetos específicos.

Um desses projetos engloba a construção de um gasoduto destinado a levar gás até Uberaba, em Minas Gerais, um importante polo produtor de fertilizantes. A iniciativa surge em consonância com os planos da Atlas Agro, que pretende erguer uma unidade de fertilizantes verdes na região. Vale destacar que Uberaba já foi alvo de um projeto similar, idealizado pela Petrobras, conhecido como UFN V, que, no entanto, foi cancelado.

Dentre as empresas que planejam investimentos significativos estão a Nova Transportadora do Sudeste (NTS), empreendimento da Brookfield Asset Management em parceria com a Itaúsa; a Transportadora Associada de Gás (TAG), controlada pela Engie em associação com o fundo canadense CDPQ; e a Transportadora Bolívia Brasil de Gás (TBG), de propriedade da Petrobras.

Atualmente, a rede de transporte de gás do país estende-se por 9.400 km, conectando sete bacias sedimentares, 14 unidades de processamento e três terminais de gás natural liquefeito. Além disso, atende fontes de abastecimento bolivianas e argentinas.

Em 2021, segundo dados da ATGás, a rede transportou em média 84 milhões de m³/dia, atendendo 17 estados, 400 municípios, 21 térmicas, 20 concessionárias de distribuição, 13 refinarias e duas unidades de produção de fertilizantes. Esses investimentos não apenas impulsionarão a infraestrutura energética do país, mas também contribuirão para o desenvolvimento econômico e industrial de diversas regiões.


André Carvalho

André Carvalho é um economista e professor que se especializa em economia do trabalho e benefícios sociais. Sua pesquisa e ensino enfocam como as políticas econômicas podem ser estruturadas para melhorar a vida dos trabalhadores e reduzir a desigualdade social, contribuindo significativamente para debates políticos e acadêmicos nesse campo.

google newa

+

Relacionadas